Manual dos Monstros — Criaturas Fantásticas

Já lancei alguns livros bonitos, mas esse aqui subiu de escala. Não é porque é meu, mas cara, que lindeza que ficou esse Manual dos Monstros!

3det-mmonstros-capa.png

O primeiro bestiário para o sistema 3D&T Alpha, contendo mais de duas centenas de bichos, desde cachorros e capivaras até dragões-reis e pássaros gigantes que carregam vilarejos de bárbaros nas costas! Esse é o primeiro suplemento para Tormenta Alpha lançado, escrito pelo parça de longa data Tiago Ribeiro e pelo mestre Marcelo Cassaro.

contra.png

Seguindo a linha bem humorada de Defensores de Tóquio, enchemos ele de piadas de todo tipo e sorte, além de um monte de regras novas que há muito tempo queria compartilhar com vocês, especialmente os tesouros que dropam dos monstros derrotados, algo MUITO comum em animes e principalmente games do estilo. Nada mais 3D&T que isso!

Novamente, agradecimentos infinitos a todos os envolvidos na produção desse livro. As ilustrações inéditas do Rafael Françoi , Ricardo de SáEudetenis Paulo Giovana e Sylvia Feer ajudaram muito a passar o clima que nós queríamos pros bichos. Agradecimentos infinitos também ao Bruno Schlatter e  Fabrícius Viana Maia pela revisão e ao Guilherme Dei Svaldi que editou e todo mundo que sem dúvida também trabalhou nos bastidores e nós nem ficamos sabendo. Todos vocês são épicos!

O livro já está em pré-venda na Nerdz!

Anúncios

Crônicas da Tormenta Volume 2

Consegui publicar mais um livro nesse fim de ano, como sempre, pela Jambô. É o Crônicas da Tormenta, volume 2. Meu continho, Nêmesis, está ali junto com a produção de uma porção de autores incríveis, muitos já citados aqui anteriormente. São 16 deles ao todo!

lit-cdt2-capa.jpg

Sempre é legal participar de antologias, e é algo que eu gostaria realmente de fazer mais nesse próximo ano. O livro está disponível para compra em vários formatos aqui.

Manual do Defensor

Nesse final de 2016 a Jambô guardou toda a munição do segundo semestre pra disparar uma chuva de títulos na CCXP de dezembro. Dentre eles, ajudei a revisar o Manual do Defensor, o primeiro livro do Bruno BURP para 3D&T, o que é bastante injusto haja visto que ele é o cara que mais entende do sistema desde sempre.

3det-mdef-capa

Fiz uma pré-leitura e ajudei na revisão desse livro, e a cada página era uma explosão de possibilidades pras minhas próprias mesas de jogo. É um livro que o 3D&T merecia há muito tempo e que vem engordar a linha básica do sistema, sem ligação com um cenário específico.

3det-mdef-1

Agora que o livro já saiu, posso dizer que já estou usando várias das regras variantes desse verdadeiro “Livro do Mestre” nos meus jogos já tem um tempo? =D

Rancoroso e Vingativo

Vou contar uma história boba que aconteceu comigo, porque sim. =D

Uns 25 anos atrás, eu era (ainda sou, na verdade) fissurado por banca de revistas. Eu ia TODO DIA na banca ver se chegou alguma coisa.

Gostava especialmente de um sebinho que tinha na banca da minha cidade onde procurava por gibis baratos que ainda não tinha.

Nunca tive muita grana, mas juntava meus dinheiros de lanche pra comprar revistinhas. E sempre paguei por todas, claro.

Mas como a molecada é fogo, não era incomum que roubassem gibis dali. E como eu ia MUITO na banca, o dono começou a me olhar torto.

Nove anos, cabeludo, camisa de flanela no calor…
Obviamente, bandidinho dos anos 90.

Certo dia, a mãe pediu para comprar algum remédio aleatório pras vacas que a gente criava. E o combinado era ficar com o troco.

Só que o tal remédio vinha num saco de papel, e a agropecuária não tinha sacola de plástico pras compras (na época era BEM menos comum).

E a droga do saco de papel começou a desmanchar nas minhas mãos com o calor, derramando seja lá o que fosse que ele continha.

Mas não esquentei, afinal, eu ESTAVA COM A GRANA e ia comprar um gibi do Homem Aranha naquele dia. Ia pedir uma sacolinha pro tio da banca.

Cheguei na banca, amarrei o cabelo e entrei todo feliz. Parei na frente do ventilador (daqueles que colocavam no balcão) e escolhi meu gibi.

Depois que entreguei toda minha fortuna em trocados pro tiozinho e peguei meu volume do mês, expliquei a situação e pedi a sacolinha.

E ele negou, claro. Por isso é uma história.
(Se tudo tivesse dado certo, eu não estaria contando).

IM000319.JPG

O cara disse que a sacola custava mais do que o gibi que eu tinha escolhido. E eu lá, todo suado e lambuzado de agrotóxico, não aceitei.

Argumentei que comprava lá quase toda semana desde que aprendi a ler e que provavelmente continuaria comprando. Só precisava da sacolinha.

Ai o cara largou tudo o que tava trancado: disse que sabia que eu roubava os gibis dele e que não faria falta. Me xingou e botou pra fora.

Fiquei lá na calçada sem entender o que DIABOS tinha acontecido. Então coloquei o gibi debaixo do braço, o veneno na outra mão e fui embora.

Nunca esqueci daquele dia.
25 anos e ainda lembro.

Hoje, saiu uma matéria no jornal local com uma foto do tiozinho da última banca com cara de triste, porque vai fechar as portas.

Meu lado adulto lamenta. A banca era a vida do cara.
Mas tem um pivete de nove anos em algum daqui dando risada, se sentindo vingado.

Pretendo passar lá pra entregar duas coisas pro sujeito:

Uma foto das toneladas de papel que comprei nos últimos 20 anos.
E, claro, uma sacola. >=D